Polícia

Polícia prende suspeito de matar indígena de 5 anos por asfixia

O crime aconteceu na última terça-feira (26) e um laudo apontou morte por asfixia com a utilização de algum instrumento, que ainda não foi localizado.

A  Polícia Civil prendeu, na tarde desta quarta-feira (27), um homem suspeito de ter matado a criança indígena Vanessa Guajajara na Aldeia Barreirinha, na região entre Buriticupu e Arame, a cerca de 476 km de São Luís. O local pertence a Terra Indígena Arariboia.

O crime aconteceu na última terça-feira (26) e um laudo apontou morte por asfixia com a utilização de algum instrumento, que ainda não foi localizado. Vanessa tinha cinco anos e foi encontrada pelo pai no rio Zutiua, na aldeia Barreirinha, com marcas de violência no pescoço.

Após o crime, a polícia abriu um inquérito e cumpriu a prisão de um suspeito, com base em um mandado da Justiça. O homem, que não teve o nome revelado, foi levado para a Unidade Prisional de Santa Inês e as investigações continuam.

Segundo as informações preliminares, a criança teria desaparecido na manhã do dia 25 de janeiro, quando estava junto de sua mãe, que teria se afastado momentaneamente para buscar água em um rio próximo a sua residência e deixado a criança brincando no chão. Logo após retornar, a criança teria desaparecido, tendo sido encontrada morta, 30 horas depois.

A delegada de Polícia Civil Vilene Rodrigues, de Buriticupu, que comanda as investigações, esteve nesta quarta-feira (27) na região, acompanhada de investigadores, e colheu mais de quatro depoimentos.

A mãe da criança relatou que a primeira pessoa que encontrou após o desaparecimento da menina foi um vizinho, que estava próximo da casa onde ela foi vista pela última vez. Ele foi um dos ouvidos pela polícia e segundo a delegada, pode ser um dos suspeitos.

A mãe e o pai da criança foram ouvidos, um casal de vizinhos, e policiais militares que auxiliaram nas buscas no local onde o corpo da criança foi encontrado.

“A criança é uma deficiente física, não andava direito, não falava. Os índios querem justiça”, afirmou Érika Nogueira, que é ativista dos povos indígenas no Maranhão.

A Polícia Federal informou que o caso não se tratava de violação dos direitos indígenas e deve ficar a cargo da Polícia Civil, que ainda não sabe a motivação do crime.

Mostrar mais

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo