fbpx
Mundo

Sauditas condenam 5 à morte por assassinato de jornalista

Jamal Khashoggi foi executado em outubro de 2018, no consulado da Arábia Saudita na Turquia

A Arábia Saudita anunciou nesta segunda-feira (23), que cinco pessoas foram condenadas à morte em primeira instância por participação ou cumplicidade na execução, em outubro de 2018, do jornalista Jamal Khashoggi no consulado do país em Istambul, na Turquia.

O porta-voz da Procuradoria-Geral saudita, Shalaan al Shalaan, que fez o anúncio, também disse em entrevista coletiva que Saoud al Qahtani, conselheiro do príncipe Mohamed bin Salman; o vice-diretor do serviço secreto do país, Ahmed Asiri; e o cônsul Mohamed al Otaibi foram liberados por falta de provas. Os três eram as principais personalidades processadas no caso.

Outras três pessoas foram condenadas por encobrirem o crime, mas al Shalaan limitou-se a informar que a soma das penas dos três é de 24 anos de prisão, sem especificar quanto tempo corresponde a cada uma e nem revelar suas identidades.

O porta-voz da Procuradoria também declarou que as investigações mostraram que não havia intenção de matar Khashoggi, já que os réus e a vítima não eram “inimigos”, e que familiares do jornalista e representantes do governo da Turquia puderam assistir às audiências do caso.

Khashoggi, um jornalista moderadamente crítico do governo da Arábia Saudita e colunista do jornal americano “The Washington Post”, foi executado em 2 de outubro de 2018 no consulado do país em Istambul. Ele havia ido à legação para para pedir documentos para que pudesse se casar com a namorada, cidadã turca.

Embora as Nações Unidas e o Senado dos Estados Unidos tenham responsabilizado diretamente o príncipe herdeiro Mohamed bin Salman pelo crime, o homem forte do reino não foi processado.

*Agência EFE

Mostrar mais

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo